terça-feira, 24 de abril de 2012

Palavras


Como exprimir os nossos sentimentos, sem que o outro saiba?
Eu aprendi isso com uma pessoa, ela disse que se tivéssemos algo para dizer a uma pessoa e não queremos que ela saiba, devemos escrever num papel.
E você, querido leitor, não sabe como isso pode tirar um peso enorme de cima de você. Alivia a alma, escrever sobre o que você sente. Se você toca algum instrumento, tente colocar uma melodia no que você escreveu.
Algum dia você pode ter certeza de que quer que a pessoa saiba o que você sente. Ou não. Quem sabe isso não vira o Hit do verão? Quem sabe isso um dia não virá a ter milhões de comentários no seu Blog? Quem sabe um dia você simplesmente queime esses sentimentos verbalizados em um papel?
Palavras, por mais simples que sejam; elas têm poder. Têm poder de edificar, de destruir, de aliviar, de consolar, de alegrar, de confortar, de bagunçar, de entristecer. Para o bem ou para o mal, as palavras têm poder.  E esse poder é tão forte, que quando a palavra nos atinge, sentimos que levamos um tiro forte, que atinge o peito e leva embora algo que antes era tão valioso para nós.
Então, se alguém te fez mal, te faz bem, se algo te fez mal, ou te faz bem, apenas escreva. Escreva com as suas próprias palavras, junte-se às palavras dos outros. Escreva. Porque o que você sente é o que pode fazer você crescer sempre. Você pode edificar a si mesmo, só é saber utilizar o teu sentimento para isso. Escreva. Sinta que a cada nova palavra que você coloca no papel é um pedaço da dor, ou da tua alegria que fica ali, frente a frente contigo, lutando para te pertencer ou não. 

quarta-feira, 18 de abril de 2012

"Se amar a moda é um crime, nós nos declaramos culpados"


 Escrevi esse texto, por sugestão de uma das frequentadoras assíduas do meu Blog, então se você deseja que eu escreva sobre algo, envie-me a sua sugestão, também. Então...

Tem pessoas que gostam de moda, e tem pessoas fúteis, e tem quem acha que tudo é a mesma coisa, mas não é.
Segundo dicionário Aurélio, fútil é aquilo que é frívolo, leviano, insignificante, vão. É algo vazio, que não leva a crescimento algum. Já a moda, segundo o dicionário, é uso, hábito ou estilo geralmente aceito, variável no tempo, e resultante de determinado gosto, ideia, e das interinfluências do meio.Uso passageiro que regula a forma de vestir, calçar, pentear, etc. Arte e técnica do vestuário.

Segundo a blogueira, Priscila Vizan, “a moda é um sistema que engloba indústria do vestuário e contexto social. Ela unifica discursos, ao mesmo tempo em que distingue indivíduos.”
A moda é construída através dos anos, baseada no comportamento da sociedade que estimula o crescimento dessa indústria. A moda vem evoluindo, há coisas que vem e que voltam na moda, dependendo do comportamento das pessoas no momento. Como espartilhos, por exemplo. Ainda seguindo as palavras de Priscila, “a moda se renova a partir de tendências, essas modificações se disseminam através de três modelos básicos: semanas de moda oficiais, street style e looks de celebridades, os quais reverberam em revistas, sites, e blogs especializados. A moda se recicla através da criação, em uma engrenagem que acontece através de ciclos, velhos modelos se saturam rapidamente.”
Gente, fútil é uma pessoa vazia, que só dá valores a coisas que não acrescentam em nada nas suas vidas. Mas, existe bem ali no cantinho, um “cadinho” de gente que se importa com o seu estilo e a maneira de ver o mundo, e a maneira que quer ser vista pelo mundo, e esse “cadinho” de gente, não é fútil, apenas tenta verbalizar o que é por dentro, através da sua forma de se vestir.
Karl Lagerfeld é um estilista alemão, conhecido como um dos estilistas mais influentes no mundo da moda do século XX. Colaborou com uma variedade de diferentes grifes, entre elas, Chanel. E colocarei aqui uma de suas frases para fechar o texto:

A moda não precisa provar que é séria. Ela prova que a frivolidade inteligente pode ser algo criativo e positivo.